A Sharp anunciou recentemente a linha de TVs AQUOS 8K, que serão as primeiras TVs compatíveis com resolução 8K voltadas para o consumidor final. Com 7.680 por 4.320 pixels, os displays contêm quatro vezes mais pixels do que as TVs 4K, e 16 vezes mais do que telas Full HD.

Como o Engadget lembra, essa não é a primeira vez que a Sharp se aventura na resolução 8K. A empresa já havia lançado TVs desse tipo em 2015 voltadas para o mercado corporativo, e também já chegou a mostrar protótipos de um monitor 8K em 2016. A AQUOS, no entanto, é a primeira linha de produtos 8K que chegará ao mercado para consumidores finais.

Especialmente no caso de smartphones com baixa capacidade de armazenamento – como os que oferecem apenas 4 GB ou 8 GB de espaço para os usuários – é comum o aparelho ficar lotado rapidamente. Felizmente com o uso de um cartão microSD é possível aumentar o espaço disponível, e é possível até mesmo mover apps para esses cartões de memória no Android.

Não é sempre que isso é possível – algumas fabricantes não permitem mover apps para o microSD de seus smartphones, e desenvolvedores de apps podem impedir que eles sejam armazenados nos cartões de memória. Mas às vezes isso é possível, e abaixo explicamos como fazer para transferir alguns apps para o microSD

A Alphabet anunciou a criação de mais uma companhia: a XXVI Holding Inc. A gigante, que foi criada para gerenciar os negócios com a divisão do Google em várias partes menores, abriu a nova empresa para cuidar de iniciativas menores como tecnologia para carros autônomos, saúde, entre outros. A medida encerra uma longa restruturação iniciada em 2015.

A XXVI Holdings funcionará como uma organização guarda-chuva para empresas da Alphabet conhecidas como “Other Bets”. Entre elas está a Waymo, que desenvolve tecnologia para caros autônomos; e a Verilly, responsável por aparelhos de saúde e cuidados médicos. O nome “XXVI”, aliás, é a representação em algarismos romanos do número 26, que é a quantidade de letras do alfabeto.

Além da criação da nova empresa, o Google deixa de ser uma corporação para se tornar uma sociedade de responsabilidade limitada. A mudança é motivada pelo fato de a responsável do buscador e outros produtos não ser mais uma empresa pública diretamente, mas sim por fazer parte do holding Alphabet.

Na prática, contudo, nada muda. As mudanças anunciadas nesta sexta-feira (1º) são apenas formalidades e não alteram a distribuições de ações entre investidores ou o funcionamento das empresas, conforme publicou o Engadget.

Samsung recebe autorização para testar carros autônomos nos EUA

A Samsung está expandindo seus investimentos em carros autônomos. A empresa anunciou nesta semana que recebeu autorização para testar veículos que se dirigem sozinhos pelas ruas da Califórnia, nos EUA. Desde abril, a Samsung já tinha autorização para conduzir esses testes na Coreia do Sul.

A novidade é que, agora, além de expandir seus investimentos para outro continente, a companhia também está se aproximando da região onde outros grandes nomes estão testando essa mesma tecnologia, como a Apple, a Uber e a Waymo (empresa-irmã do Google).

O interesse da empresa, porém, não é em montar carros, mas sim desenvolver o software e os sensores necessários para esses veículos circularem sem motoristas. O que a Samsung quer é construir o “cérebro” sobre o qual montadoras vão produzir seus veículos autônomos.

A Samsung não deu detalhes sobre os seus planos na Califórnia, mas, de acordo com a agência de notícia Reuters, a empresa disse apenas que está “em busca de um sistema de transporte mais inteligente e mais seguro para o futuro”.

Uma falha do Instagram permitiu que pelo menos um indivíduo tivesse acesso a dados sigilosos de pessoas famosas na rede social, revelou nesta semana a empresa, de acordo com informações do site The Verge.

A brecha deu acesso a números de telefone e endereços de e-mail, mas não vazou senhas nem qualquer outro método de autenticação. O bug estava na API do Instagram, um código que a empresa fornece para que outros apps se comuniquem com a rede social.

Além disso, o Instagram também disse que notificou as potenciais vítimas e afirmou que a falha já foi corrigida. Embora senhas não tenham sido vazadas, um número de telefone e um endereço de e-mail já são suficientes para que um hacker experiente tenha acesso às mídias sociais de alguém, bastando um exercício de engenharia social.

O Instagram também não revelou mais detalhes sobre como a falha funcionava e nem quais pessoas famosas teriam sido vítimas. Recentemente, porém, a cantora Selena Gomez, que tem 125 milhões de seguidores no Instagram, disse que teve seu perfil na rede hackeado.

Segundo uma reportagem publicada nesta semana pelo jornal Folha de S. Paulo, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) estão elaborando novas regras para regulamentar apps de marcação de consultas.

Doutor Consulta, Boa Consulta e Doutor Já são exemplos de aplicativos que fazem o serviço de agendar encontros com médicos particulares das mais diversas especialidades. Alguns deles adiantam até o preço que o profissional cobra pela consulta, enquanto outros levam o médico até a casa do paciente.

Para o CFM e o Cremesp, porém, há irregularidades nesses serviços. Segundo o vice-presidente do conselho paulista, Lavínio Camarim, os apps violam algumas das normas do código de ética dos médicos, como, por exemplo, exibir qual será o valor da consulta antes que ela seja marcada.

Segundo Camarim, essa prática representa “exercício mercantilista da medicina”, além de “gerar uma concorrência desleal”, o que também seria contra o código de ética. Mais do que isso, o Cremesp afirma que uma resolução do CFM de 2008 “proíbe o vínculo dos profissionais [de medicina] com intermediadoras comerciais de serviços”.

Um dos aplicativos mais populares dessa categoria, o Doutor Já, se viu obrigado a parar de funcionar em São Paulo por conta da pressão do conselho paulista de medicina. Segundo a empresa por trás do app, o Cremesp estaria “coagindo médicos a deixar a plataforma sob ameaça de processá-los”.

Em entrevista à Folha, Gustavo Valente, um dos sócios do Doutor Já, diz que o conselho paulista de medicina está se desviando de sua função e interferindo na livre iniciativa. “A função do conselho é regular e fiscalizar o ato médico”, disse o empresário.

Outro ponto em que apps e o Cremesp divergem tem a ver com a taxa cobrada por esses serviços de intermediação. No caso do Doutor Já, a empresa fica com 13% do que foi cobrado pelo médico que marcou consulta com um paciente pelo aplicativo. Para o conselho paulista de medicina, isso também é contra o código de ética.

Segundo a Folha, Valente diz que “é vantajoso ao médico cobrar R$ 100 por uma consulta e pagar 13% de taxa para o aplicativo”. “Isso não é ético? É mais ético receber R$ 40 dos planos de saúde?”, disse o empresário. Ele afirma que o Doutor Já ingressou com um mandado de segurança com pedido de liminar para poder voltar a São Paulo, mas por enquanto o app funciona normalmente no Rio de Janeiro e outros estados.

No último ano, mais de 70 sindicândias teriam sido abertas em conselhos de medicina do país para apurar denúncias contra médicos cadastrados nesses aplicativos. O Cremesp diz que está trabalhando com o CFM para bolar novas regras que regularizem a atuação dessas empresas.

A velocidade da Internet banda larga no Brasil é alvo constante de reclamação de usuários, que alegam receber muito menos do que contratam. A regulação desse serviço é feito pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que, desde o início deste mês, determinou que as operadoras devem entregar pelo menos uma transmissão média mensal de 70% do plano contratado. Para te ajudar, o TechTudo reuniu tudo o que você precisa saber sobre como funcionam as regras da lei da banda larga e onde você pode exigir seus direitos.

Baixe o Mandic Magic e descubra a senha de Wi-Fi em locais públicos!

Velocidade Internet (Foto: Pond5)Provedoras de Internet agora devem respeitar velocidade mínima estabelecida pela Anatel (Foto: Pond5)

Como funciona?

Em 2011, a Anatel promoveu mudanças no Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), que versa sobre a prestação do serviço de Internet banda larga fixa desde 2001. A medida tem como objetivo melhorar a qualidade do serviço, estabelecendo critérios de avaliação, obtenção de dados e acompanhamento da qualidade da prestação do serviço, bem como as informações que devem ser enviadas à Anatel.

No início de novembro de 2013, a agência publicou uma norma que obriga provedores de Internet banda larga a respeitar a média mensal de, no mínimo, 70% da velocidade contratada pelo assinante. A norma estabelece ainda que a velocidade instantânea, medida no momento do acesso, não pode estar abaixo de 30% do valor contratado.

Ao contratar um plano de 10 Mbps, por exemplo, o cliente deverá ter a média mensal de velocidade mínima de 7 Mbps.  Já a velocidade instantânea, aferida em velocímetro no momento da conexão, deve ser de, pelo menos, 30% do plano contratado. Ou seja, 3 Mbps no nosso exemplo.

Os percentuais valem tanto para taxa de download (dados recebidos) quanto para upload (dados enviados). Fica determinado também que, se a operadora entregar uma velocidade média abaixo do estabelecido por vários dias, será obrigada a compensá-la, no restante do mês, para atingir a meta de média mensal de 70%.

Anteriormente, os limites eram de 60% de média mensal mínima e 20% de velocidade instantânea. As metas de qualidade estipuladas nos regulamentos de gestão da qualidade dos serviços de banda larga fixa e móvel preveem o aumento do limite para 80% e 40%, respectivamente, em novembro do próximo ano.

Como medir a velocidade da conexão e fazer reclamações?

Velocímetro do TechTudo deve ser usado para medir a velocidade instantânea da sua conexão à Internet (Foto: Reprodução/TechTudo)Velocímetro do TechTudo deve ser usado para medir a velocidade instantânea da sua conexão à Internet (Foto: Reprodução/TechTudo)

Para medir a velocidade instantânea da sua internet banda larga, você pode acessar o Velocímetro do TechTudo. Antes de começar o teste, certifique-se que não há nenhuma aba do navegador ou aplicativo utilizando a sua conexão. Feito isso, clique no botão “Começar teste” e aguarde o fim do processo. A velocidade da sua conexão será exibida em Mbps (megabits por segundo). Confira se ela corresponde a, pelo menos, 30% do plano contratado.

A agência também fiscaliza as velocidades entregues ao consumidor por meio de sua rede de voluntários. No entanto, o próprio consumidor pode fazer a aferição das velocidades do plano contratado utilizando o aplicativo Brasil Banda Larga, da Anatel, para smartphones com os sistemas Android e iOS.

O aplicativo oficial da Anatel faz aferição da qualidade da banda larga móvel e fixa. Ele identifica o servidor da conexão, velocidades de download e upload, além de apresentar resultados organizados em gráficos (Foto: Reprodução/Karla Soares)O aplicativo oficial da Anatel faz aferição da qualidade da banda larga móvel e fixa. Ele identifica o servidor da conexão, velocidades de download e upload, além de apresentar resultados organizados em gráficos (Foto: Reprodução/Karla Soares)

O aplicativo desenvolvido pela Entidade Aferidora da Qualidade (EAQ) obtém informações sobre os principais parâmetros de qualidade da conexão banda larga como taxas de download e upload, perda de pacotes, latência e jitter. Os resultados são apresentados graficamente e as medições anteriores – bem como os locais – ficam armazenadas.

A fiscalização do cumprimento das metas estabelecidas se dá por meio de acompanhamento de indicadores, auditoria, pesquisa junto a assinantes ou avaliação feita por assinantes em grupo ou individualmente.

Como usar a Internet do PC no celular via cabo USB? Descubra no Fórum do TechTudo!

Quando a operadora não entregar o mínimo exigido, a Anatel orienta o assinante a primeiramente registrar reclamação com o próprio prestador de serviço. Caso o problema não seja resolvido, o consumidor pode acionar a agência reguladora por meio do serviço telefônico 1331 ou fazer a reclamação no site da Anatel.

O roteador é um item fundamental se você quiser ter uma rede wireless na sua casa e conectar os seus dispositivos eletrônicos à internet sem depender de fios. Porém, não basta apenas comprar o roteador novo. É preciso saber ligá-lo e configurá-lo.

Veja dicas para turbinar o seu roteador e melhorar navegação

Com as configurações certas, o usuário poderá ter uma rede Wi-Fi segura, rápida e estável, aproveitando ao máximo o seu link de internet. Pensando nisso, preparamos uma lista com algumas dicas que você pode pôr em prática assim que comprar o seu roteador novo. Confira.

Reiniciar modem ou roteador pode destravar dispositivo (Foto: Luciana Maline/TechTudo) (Foto: Reiniciar modem ou roteador pode destravar dispositivo (Foto: Luciana Maline/TechTudo))Veja o que é preciso configurar antes de usar seu roteador novo (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

1- Como instalar fisicamente

O primeiro passo de todos é instalar o roteador fisicamente. Você vai ter de ligá-lo ao seu modem ou, se o seu roteador fizer as duas funções, é preciso posicioná-lo próximo à tomada da linha telefônica.

Qualquer roteador possui, no mínimo, três entradas. A primeira é a “Power”, onde deve ser ligado o cabo de energia que, por sua vez, deve ser ligado à tomada mais próxima. Obviamente, é dali que sai a energia do roteador.

Comprou um roteador novo? Veja o que precisa fazer antes de usar (Foto: Comprou um roteador novo? Veja o que precisa fazer antes de usar)Comprou um roteador novo? Veja o que precisa fazer antes de usar (Foto: Divulgação/TP-Link)

Depois de ligar o cabo de força, o usuário deve ligar o cabo DSL ou WAN, dependendo do modelo do roteador. Em alguns aparelhos é necessário ligar apenas o cabo DSL, que é bem fino e flexível. Ele é conectado direto no filtro da linha telefônica, que faz a divisão entre voz e dados. Já em outros você precisará ligar o cabo WAN no modem de sua operadora.

Por fim, o roteador tem as portas LAN, que são usadas para levarem a internet aos computadores pelo cabo RJ-45. Se você já tem um link de internet cedido pela sua operadora e ligou tudo direitinho, o roteador já estará funcionando e distribuindo o sinal Wi-Fi por toda a sua casa. E isso nos leva para o próximo passo.

2- Encontre o melhor local para posicionar o roteador

O roteador distribui o sinal de internet por meio de suas antenas. O sinal se espalha em forma de ondas, em todas as direções. Quanto mais obstáculos houverem em sua residência, mais empecilhos o sinal vai enfrentar para chegar até o seu aparelho eletrônico.

Roteador no alto de estante melhora propagação do sinal (Foto: Lucas Mendes/TechTudo)Roteador no alto de estante melhora propagação do sinal (Foto: Lucas Mendes/TechTudo)

Mas o que são esses obstáculos? Absolutamente tudo. Os móveis da sua casa, espelhos, paredes, colunas, etc. Por isso, para ter uma boa distribuição do sinal, é aconselhável que o roteador fique numa área central da casa ou apartamento.

É recomendável também que ele sempre fique em uma posição elevada, que é onde há menos obstáculos. Dessa forma você consegue que o sinal da internet seja forte em todos os cômodos da casa.

Download grátis do app do TechTudo: receba dicas e notícias de tecnologia no Android ou iPhone

3- Configure o nome da rede (SSID) e a senha

Depois que o roteador estiver instalado e ligado e a internet já esteja funcionando, é hora de mudar o nome da rede e a senha. O nome da rede também é chamado de SSID. Portanto, quando acessar as configurações do roteador procure pela opção SSID na hora de mudar o nome da rede.

Destaque para seção de nome da rede Wi-Fi (Foto: Reprodução/Raquel Freire)Destaque para seção de nome da rede Wi-Fi (Foto: Reprodução/Raquel Freire)

Para acessar as configurações do modem é preciso saber o seu endereço IP, login e senha. Estas informações se encontram no manual do usuário. Não podemos dar um passo a passo detalhado pois eles mudam dependendo da marca do seu roteador. Por isso, pegue o manual, veja o endereço IP, digite no seu navegador e depois entre com as credenciais de login e senha.

Por padrão a rede vem com um nome pouco amigável, como GVT-EF23. Você pode trocar por qualquer outro nome que você queira. Quanto à senha, é recomendável que você use a criptografia WPA2, que é uma das mais fortes e pouco suscetível a falhas. Pronto! Agora a sua internet Wi-Fi já está protegida com uma senha. O vídeo abaixo pode auxiliar no procedimento:

4- Ative o firewall

O firewall do roteador é mais um recurso de proteção para a sua rede Wi-Fi. Ele protege a sua rede de informações corrompidas, ataques de hackers, malwares ou outros tipos de vírus e ataques.

Ative o firewall no seu roteador Wi-Fi (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)Ative o firewall no seu roteador Wi-Fi (Foto: Reprodução/Barbara Mannara)

O firewall faz um escaneamento de todos os pacotes que entram e saem de sua rede. Em conjunto com o firewall do Windows, isso forma uma boa camada de segurança. Nós já publicamos um tutorial ensinando a ativar o recurso.

5- Faça uso do QoS

Esta é uma função presente nos roteadores que permite que o usuário defina quais programas ou serviços terão prioridade na rede. Por exemplo, imagine que você jogue bastante online enquanto outras pessoas também usam a rede.

Você pode ir até as configurações QoS e definir que o seu jogo terá prioridade de banda. Desta maneira, quando estiver jogando, mesmo que outra pessoa comece a baixar um arquivo ou assistir um vídeo por streaming, a sua rede dará prioridade ao seu jogo, deixando as demais atividades mais lentas.

Por padrão, esta funcionalidade se encontra na aba “Configurações Avançadas”, dos roteadores, por isso, é bom dar uma analisada com calma nesta seção.

6- Altere o DNS

Os servidores DNS padrão de sua operadora de internet geralmente não são as melhores escolhas. Tais servidores são responsáveis por “traduzir” o endereço do site digitado em seu endereço IP real, tal como 198.162.0.15.

Assim, um servidor que faz esta “tradução” de forma rápida e eficaz é fundamental para uma navegação mais rápida e fluída. Veja nesse tutorial como realizar o procedimento.

7- Ajuste a frequência de operação do seu roteador

Os roteadores podem trabalhar nas frequências de 2,4 GHz e 5 GHz. A frequência mais baixa, geralmente, é também a mais congestionada. Portanto, se você estiver experimentando uma certa lentidão na navegação, tente trocar a frequência de operação para 5 GHz.

Mudando o canal e a frequência (Foto: Reprodução/Felipe Alencar)Mudando o canal e a frequência (Foto: Reprodução/Felipe Alencar)

Por ser uma frequência mais alta, ela possui menos dispositivos trabalhando nela e tende a ser mais estável que a de 2.4 GHz. Para fazer essa alteração, siga os passos desse tutorial abaixo.

Seguindo essas dicas, você não apenas terá uma rede Wi-Fi operando em sua residência, como ela também será segura, estável e promoverá um entretenimento sem lentidões à toda a sua família.

Qual é o melhor canal de roteador wireless? Comente no Fórum do TechTudo

Pensamento computacional faz diferença na escola, diz professor

Ensino de programação é o tema do ‘VEJA Entrevista’

As ferramentas de programação de computadores facilitam a contextualização de outros temas e disciplinas, ajudando também no aprendizado da escola formal. Isto é o que defendem Felipe Fernandes, diretor geral do Code Club Brasil, e Francisco Isidro Massetto, professor de Ciência da Computação da UFABC. Eles participaram do ‘VEJA Entrevista’ e explicaram que aprender programação ajuda na sistematização dos problemas cotidianos e a encontrar soluções.

Desde o dia 25 de maio, provedores, programadores e usuários podem baixar e instalar o código do SIMET Box em seus roteadores. O anúncio desta liberação aconteceu durante o LACNIC 27, encontro que reúne, em Foz do Iguaçu (PR), centenas de participantes de mais de 30 países em torno de discussões sobre temas decisivos para o futuro da Internet na América Latina e Caribe. O código-fonte do SIMET Box, equipamento de medição de tráfego Internet do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), está disponível no endereço: http://simet.nic.br/simetbox.

Com a liberação do código, o NIC.br atende a uma demanda da comunidade Internet, que poderá sugerir melhorias para o sistema e novas funcionalidades. “Os provedores poderão utilizar o SIMET Box em suas redes e analisar a qualidade da conexão que está sendo entregue aos usuários onde o equipamento foi instalado. Já os programadores e usuários com conhecimentos avançados poderão usá-lo em seus roteadores, além de validar o sistema e alimentá-lo com a curadoria do NIC.br. Todos são beneficiados”, destaca Fabricio Tamusiunas, gerente de projetos do NIC.br à frente do sistema de medição.

A iniciativa permite ainda que estudantes, profissionais da área e demais interessados em software livre aprendam com a leitura do código, tirem dúvidas e acompanhem a evolução do SIMET Box desde o início. O NIC.br manterá um fórum para discussões sobre o sistema em github.com/simetnicbr.

“Ao promover o uso do SIMET Box, teremos mais medições e, consequentemente, maior riqueza de dados sobre a qualidade da conexão à Internet nas diferentes localidades do Brasil”, comenta Tamusiunas. Os resultados dos testes são armazenados pelo NIC.br e disponibilizados on-line por meio do Mapa de Qualidade da Internet. Com a liberação do código-fonte, os usuários continuam acessando o histórico das medições e exportação dos dados, porém devem manter-se atentos a atualizações do sistema, que serão disponibilizadas no site do SIMET.

Um dos principais equipamentos de medição de tráfego Internet do País, o SIMET Box analisa e monitora a qualidade da Internet várias vezes ao dia, faz testes de validação de BCP-38, de gerência de porta 25, qualidade de DNS, totaliza o tráfego mensal, entre outras funcionalidades. O SIMET é ainda o único sistema de medições brasileiro para usuário final que realiza testes usando IPv6. Outro diferencial do sistema é a independência, uma vez que os testes são realizados fora das redes das operadoras, dentro dos PIXes (pontos de acesso ao IX.br) do NIC.br.