A tentativa de desenvolver cartões de crédito inteligentes que permitem alternar entre vários cartões gravados digitalmente não deu muito certo. A empresa Plastc, que estava trabalhando nesse projeto, chegou a arrecadar mais de US$ 9 milhões, mas não conseguiu enviar o produto e declarou falência no início do ano.

No entanto, uma startup chamada Edge parece estar interessada em voltar com essa ideia. Conforme relata o The Verge, a Edge anunciou nesta semana que comprou a Plastc com o objetivo de incorporar a tecnologia em seu próprio cartão de crédito.

O aplicativo de mensagens do Google, o Allo, ganhou uma função que promete deixar os usuários do WhatsApp com inveja. A mais nova atualização da plataforma, que ainda está em APK, permite que transcrever mensagens recebidas em forma de áudio.

Conforme relata o Android Police, a transcrição acontece de forma automática e aparece logo abaixo do arquivo de áudio. A função pode ser ativada ou desativada nas configurações do aplicativo.

O Google não pode operar nenhum dos seus principais serviços na China, mas isso não impede que a empresa invista no país. Agora o Google abriu um laboratório voltado para inteligência artificial para competir com nomes locais como Baidu, Tencent e Alibaba.

De acordo com o Google, o laboratório será o primeiro do tipo na Ásia e foi criado a partir de uma pequena equipe que trabalhava em pesquisas básicas relacionadas a inteligência artificial, segundo a Reuters.

Há cerca de dois anos, a Microsoft encerrou sua área de hardware de smartphones para se concentrar no desenvolvimento de um sistema operacional. No entanto, logo em seguida, surgiram rumores de que a companhia estava planejando lançar o Surface Phone.

Depois disso, nada mais foi dito em relação a esse celular da linha Surface. Até agora. Segundo informações do Phone Arena, novos rumores, baseados em patentes registradas pela Microsoft, indicam que companhia continua com o desenvolvimento do aparelho.

O Facebook é enorme e possui mais de 2 bilhões de usuários, então não é surpreendente pensar que ele influencia muito a vida do mundo quase inteiro. Um antigo executivo da rede social acredita que essa influencia está longe de ser positiva – e ele não é o primeiro ex-Facebook a criticar as transformações causadas pela empresa na sociedade.

Chamath Palihapitiya entrou no Facebook em 2007 e ajudou na construção do império de Mark Zuckerberg ocupando o cargo de vice-presidente de crescimento de usuários. Palihapitiya deixou a empresa em 2011 e acredita que, nos seis anos seguintes, o crescimento do Facebook se tornou um problema para a sociedade.

“Eu acho que criamos ferramentas que estão destruindo o tecido social de como a sociedade funciona”, atacou em uma palestrapara estudantes da Universidade de Stanford. Palihapitiya não se refere especificamente a casos como os anúncios russos que influenciaram as eleições presidenciais dos EUA, e nem sobre como as notícias falsas se espalham com facilidade pela rede social.

A crítica dele se concentra na forma como o Facebook funciona – a busca constante de curtidas para as pessoas se sentirem bem. “Não há discursos civil, não há cooperação; há desinformação. E esse não é um problema americano – não é sobre anúncios russos. É um problema global,” continuou.

Palihapitiya vê o Facebook como uma boa ferramenta para pessoas má intencionadas, que podem usá-lo para manipular opinião pública. Ele diz que seus filhos não estão autorizados a entrar na rede social.

O Facebook não foi o único alvo do executivo, que também criticou o Vale do Silício como um todo. Ele acredita que investidores jogam dinheiro em “empresas idiotas e inúteis” e deixam de lado problemas reais do mundo, como saúde e mudança climática.

Não é a primeira vez que um ex-funcionário do Facebook critica o poder excessivo que a rede social construiu com o passar dos anos. Um antigo gerente de produto do Facebook, Antonio Garcia-Martinez, escreveu um livro explicando como o Facebook mente sobre a capacidade de influenciar pessoas com base nos dados coletados sobre ela. Já o investidor Sean Parker disse recentemente que o Facebook “explora uma vulnerabilidade na psicologia humana”, e por isso ganhou tanta força.

O tempo de recarga da bateria do iPhone é uma das constantes reclamações dos consumidores da Apple. Afinal, enquanto o Android conta com a tecnologia Quick Charge para recarregar mais rápido, os telefones com iOS ficam devendo um recurso similar. Mas, isso não significa que você precisa ficar longos tempos com o smartphone ligado à tomada.

Com alguns truques e substituições de acessórios, é possível encurtar o tempo demandado para demanda do iPhone ou do iPad. Quer saber como? Confira dicas do Olhar Digital sobre como regarregar o smartphone da Apple mais rápido.

Carregador do iPad

Umas das opções, recomendadas inclusive pela própria Apple, para aumentar a velocidade de carregamento é usar o carregador do iPad. Os mais recentes oferecem 12 watts de energia, enquanto os mais antigos oferecem 10 watts de energia.

Cabo USB-C da Apple

A Apple também oferece o cabo USB-C para Lightning de 29 watts, 61 watts ou 87 watts, que promete recarregar 50% da bateria dos modelos 8, 8 Plus e X em 30 minutos.

A rede Andromeda, uma das maiores botnets do mundo, controlando milhões de computadores infectados, associada a pelo menos 80 famílias de malware diferentes e ativa desde 2011 foi desativada graças a uma operação internacional. A ação, no entanto, deve seu sucesso a um erro de principiante do homem que controlava esses milhões de PCs remotamente.Segundo as autoridades de Belarus, o rapaz foi preso na última segunda-feira; no dia seguinte, sua identidade foi revelada: trata-se de Sergey Jarets, um bielorrusso de 33 anos. No entanto, ele era mais conhecido pelo apelido “Ar3s”, um nome associado a um dos criminosos mais respeitados no underground do cibercrime.

Durante suas discussões online, Ar3s demonstrou grande conhecimento no desenvolvimento de malwares e engenharia reversa de software; ele também atuava como garantidor de vários negócios ilegais realizados no ambiente virtual. Apesar de todo esse conhecimento, ele deixou escapar uma informação básica que revelou sua identidade: seu número do ICQ.

Acontece que Ar3s utilizava o serviço de mensagens como um dos principais métodos de contato, mas o mesmo número que ele usava para o cibercrime também era utilizado para cadastros legítimos. Ele estava cadastrado em vários fóruns white-hat (os hackers ‘do bem’) com o mesmo número de ICQ; ele participava de discussões sob o nome de Sergey Jaretz (seu nome real com um “z” substituindo um “s”).

A rede Andromeda também era conhecida como Gamarue, criada com o objetivo de roubar senhas e instalar outros tipos de malwares nos computadores infectados. O sistema era comercializado na deep web, permitindo criar e distribuir plug-ins personalizados. A rede já havia se tornado tão massiva que sua infraestrutura cobria 464 redes botnet distintas, com os servidores de controle envolvendo 1.214 domínios e endereços de IP.

O malware se tornou tão popular que chegou a infectar mais de 1 milhão de sistemas ao redoro do mundo mensalmente. A ameaça era distribuída por todas as vias possíveis, incluindo mídias sociais, aplicativos de mensagens, spam por email e vários outros métodos.

Umas das principais críticas aos smartphones da Apple é a duração da bateria, quando comparado com os demais concorrente. No entanto, isso pode mudar em 2018, segundo o analista da KGI Securities, Ming-Chi Kuo.

Conforme relata o Übergizmo, o analista afirma que as baterias dos próximos iPhones devem ser maiores e melhores que as que a empresa usa atualmente.

Aparentemente, as baterias devem continuar em formato de L, mas ou pouco maiores. De acordo com Kuo, um iPhone de 5,8 polegadas deve contar com uma bateria de 2.900 mAh ou 3.000 mAh – o iPhone 8 Plus tem 2.716 mAh.

A Apple divulgou nesta semana os números atualizados de adoção da versão mais recente do seu sistema operacional móvel, o iOS 11. O software já está em 59% dos iPhones e iPads do mundo.

A última medição foi divulgada há um mês, quando a adoção estava em 52%. O levantamento também mostra que 33% dos dispositivos ainda estão rodando iOS 10, enquanto 8% estão em versões mais antigas do sistema.O iOS 11 começou a ser liberado em 18 de setembro e viu alguns problemas no meio do caminho. Desde o lançamento da primeira versão, a Apple já lançou duas novas iterações, o iOS 11.1 e, mais, recentemente, o iOS 11.2.

O iOS 11.1, além de trazer novos emojis e correções de bugs, também consertou o gerenciamento de bateria da primeira versão, que estava esgotando iPhones em tempo recorde. Já o iOS 11.2 teve seu lançamento adiantado para corrigir falhas graves, mas também trouxe mais bugs ao sistema.

De qualquer maneira, o ritmo de adoção do iOS 11 é muito mais veloz que o do principal rival, o Android. Como comparação, a versão 8.0 Oreo do sistema operacional do Google ainda nem chegou a 1% de adoção, mas nesta semana já recebeu um update, o Android 8.1 Oreo.

A Apple divulgou nesta semana os números atualizados de adoção da versão mais recente do seu sistema operacional móvel, o iOS 11. O software já está em 59% dos iPhones e iPads do mundo.

A última medição foi divulgada há um mês, quando a adoção estava em 52%. O levantamento também mostra que 33% dos dispositivos ainda estão rodando iOS 10, enquanto 8% estão em versões mais antigas do sistema.O iOS 11 começou a ser liberado em 18 de setembro e viu alguns problemas no meio do caminho. Desde o lançamento da primeira versão, a Apple já lançou duas novas iterações, o iOS 11.1 e, mais, recentemente, o iOS 11.2.

O iOS 11.1, além de trazer novos emojis e correções de bugs, também consertou o gerenciamento de bateria da primeira versão, que estava esgotando iPhones em tempo recorde. Já o iOS 11.2 teve seu lançamento adiantado para corrigir falhas graves, mas também trouxe mais bugs ao sistema.

De qualquer maneira, o ritmo de adoção do iOS 11 é muito mais veloz que o do principal rival, o Android. Como comparação, a versão 8.0 Oreo do sistema operacional do Google ainda nem chegou a 1% de adoção, mas nesta semana já recebeu um update, o Android 8.1 Oreo.